terça-feira, 28 de setembro de 2010

História da Agroecologia

As duas ciências das quais a agroecologia deriva –a ecologia e a agronomia- tiveram um relacionamento tenso durante o século XX. A ecologia ocupou-se principalmente do estudo de sistemas naturais, enquanto a agronomia tratou da aplicação de métodos de investigação científica à prática da agricultura. A fronteira entre a ciência pura e a natureza, por um lado, e a ciência aplicada e o esforço humano, por outro, manteve as duas disciplinas relativamente separadas, com a agricultura cedida ao domínio da agronomia. Com poucas exceções importantes, apenas recentemente foi devotada mais atenção à análise ecológica da agricultura.


 Uma das primeiras ocasiões de cruzamento fértil entre a ecologia e a agronomia ocorreu no final dos anos 20, com o desenvolvimento do campo da ecologia de cultivos. Aos ecologistas de plantas cultivadas interessava onde eram feitos os plantios e as condições ecológicas nas quais eles cresciam melhor. Nos anos 30, estes ecologistas, na verdade, propuseram o termo agroecologia como a ecologia aplicada à agricultura. No entanto, uma vez que a ecologia estava se tornando uma ciência mais experimental de sistemas naturais, os ecologistas deixaram a “ecologia aplicada” à agricultura para os agrônomos, e o termo agroecologia parece ter sido esquecido.

Após a Segunda Guerra Mundial, enquanto a ecologia movia-se na direção da ciência pura, a agronomia tornou-se cada vez mais orientada por resultados, em parte por causa da mecanização crescente da agricultura e pelo uso mais difundido de produtos químicos agrícolas. Os pesquisadores, em cada área, ficaram pelo menos propensos a ver pontos comuns entre as disciplinas, e a distância entre elas alargou-se.
            No final dos anos 50, o amadurecimento do conceito de ecossistema deflagrou um certo interesse renovado na ecologia de cultivos e algum trabalho no que foi denominada ecologia agrícola. O conceito de ecossistema forneceu, pela primeira vez, uma estrutura básica geral para se examinar a agricultura a partir de uma perspectiva ecológica, embora poucos pesquisadores, na realidade, a usassem dessa forma.


Ao longo dos anos 60 e 70, o interesse em aplicar a ecologia à agricultura gradualmente ganhou ímpeto com a intensificação das pesquisas de ecologia de população e de comunidades, a influência crescente de abordagens em nível de sistemas e o aumento de consciência ambiental. Um sinal importante deste interesse me nível internacional ocorreu em 1974, no primeiro Congresso Internacional de Ecologia, quando um grupo de trabalho desenvolveu um relatório intitulado “Análise de Agroecossistemas”.
 Na medida em que mais ecologistas, nos anos 70, passaram a ver sistemas agrícolas como áreas legítimas de estudos, e mais agrônomos viram o valor da perspectiva ecológica, as bases da agroecologia cresceram rapidamente. Pelo início dos anos 80, a agroecologia tinha emergido como uma metodologia e uma estrutura básica conceitual distinta  para o estudo de agrossistemas.

(Embrapa Agrobiologia)

Hoje, a agroecologia continua a fazer conexão entre fronteiras estabelecidas. Por um lado, a agroecologia é o estudo de processos econômicos e de agrossistemas, por outro, é um agente para as mudanças sociais e ecológicas complexas que tenham necessidade de ocorrer no futuro a fim de levar a agricultura para uma base verdadeiramente sustentável.

Referência: Stephen R. Gliessman. Agroecologia - Processos ecológicos em Agricultura Sustentável.

Nenhum comentário:

Postar um comentário